Buscar
  • minasbioconsultoria

Covid-19: um alerta da natureza

Diante da pandemia do covid-19 várias questões entraram em discussão, sobre a economia, as vítimas, o isolamento, a desigualdade social e com um maior destaque aqui, os problemas ambientais.


Há anos a ciência demonstra que precisamos ter uma melhor relação com o meio ambiente, de forma sustentável e ecológica. A extensão dos nossos biomas diminuem a cada dia. Um exemplo é o desmatamento do bioma amazônico que em 2019 aumentou 30% em relação a 2018 e os primeiros meses de 2020 superaram em 59% o ano de 2019.



Fonte: Animal Equality

Mas aí você se pergunta: o que a destruição da natureza tem a ver com as pandemias?

A espécie humana sendo parte integrante dos espaços, necessita, para sua sobrevivência, se apropriar de recursos naturais. Nesse processo, o ser humano estabeleceu relações tóxicas com a natureza.


Os ambientes selecionados para expansão do espaço urbano e de fronteiras agropecuárias – destaque para o último que é responsável no Brasil por mais de 80% do desmatamento – gera a destruição dos habitats naturais, então os animais ali presentes saem a procura de novos locais para sobreviverem, próximos dos seres humanos.



Fonte: Instituto Ethos

Por que a aproximação desses animais nos prejudicam?

Os animais selvagens, naturalmente, possuem uma gama de patógenos e ainda, zoonoses (doenças transmissíveis entre outros animais e o ser humano) que dentro de uma espécie ou de uma população local são inofensivas mas quando alcançam locais deslocados do seu habitat natural podem encontrar com muitas outras variações da doença, seja ela causada por uma bactéria, vírus ou protozoário.


Cerca de 60% das doenças infecciosas manifestadas em seres humanos (como o HIV, o Ebola e o Nipah) são originadas em animais selvagens. Não conhecemos nem a real diversidade de animais na natureza, tampouco as doenças que estes carregam.


Um exemplo no Brasil é a malária, onde os esforços para controle da doença reduziram drasticamente a transmissão no passado, mas há novamente um aumento constante nos casos, simultâneo a rápida remoção de cobertura vegetal e à expansão agrícola. A cada 1km² de floresta amazônica desmatada, há 27 novos casos de malária.



Origem da covid-19

Cientistas concluíram que a provável origem do atual covid-19 foi dada em morcegos, que após anos de transformações, passou a infectar seres humanos, e este tenha sido transmitido de animal para humano em um mercado de peixes e animais selvagens da cidade da China, Wuhan.


Acredita-se também que o coronavírus sofreu novas mutações considerando que recentemente foram confirmados casos em animais, como felinos, visto que o vírus que acomete o ser humano não é o mesmo de outras espécies, mas pela proximidade do ser humano recebem maior carga viral que acarreta em novas variações do vírus.



Fonte: Eco e Ego

A pandemia do COVID-19 é um alerta para mostrar que a intervenção na natureza tem seu preço e que precisamos, daqui em diante, mudar essa relação com o meio ambiente de ego-lógica para eco-lógica.



REFERÊNCIAS

Jornalistas Livres - Covid-19. As causas da pandemia – 9 de abril, 2020. Disponível em: https://jornalistaslivres.org/covid-19-as-causas-da-pandemia/. Acesso em: 26 de Set. 2020

National Geographic - Desmatamento está causando aumento de doenças infecciosas em humanos – 4 de Dez, 2019. Disponível em: https://www.nationalgeographicbrasil.com/meio-ambiente/2019/12/desmatamento-esta-causando-aumento-de-doencas-infecciosas-em-humanos. Acesso em: 27 de Dez. 2020.

Leonardo Suveges Moreira Chaves, Jan E. Conn, Rossana Verónica Mendoza López & Maria Anice Mureb Sallum - Abundance of impacted forest patches less than 5 km2 is a key driver of the incidence of malaria in Amazonian Brazil, Publicado em: 4 de maio, 2018

Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) - Relatório: Estado das Florestas do Mundo, As florestas e a Agricultura – Publicado em 2018

Domenico Benvenuto; Marta Giovanetti; Alessandra Ciccozzi; Silvia Spoto; Silvia Angeletti & Massimo Ciccozzi. The 2019‐new coronavírus epidemic: Evidence for virus evolution, janeiro/2020.




Sobre a autora: Isabella Parreira dos Santos, graduanda em Ciências Biológicas/Bacharelado - UFU, amante da herpetofauna.

Contato: · psisabella@outlook.com @parreira.isa





28 visualizações