top of page
Buscar
  • Foto do escritorminasbioconsultoria

Entendendo a DENGUE


Fonte: Imagem da Internet

O Aedes aegypti é o mosquito que transmite Dengue, Febre Amarela, Chikungunya e Zika. Ele tem origem na África e foi se disseminando gradativamente pelos continentes, atualmente é considerado um mosquito cosmopolita.


Menor que os mosquitos comuns, o Aedes aegypti é preto com listras brancas, suas asas são translúcidas e não produzem ruído. O macho dessa espécie alimenta-se de frutas, enquanto a fêmea necessita de sangue para o amadurecimento dos ovos que serão depositados separadamente em objetos, próximos ou que contenham água limpa. No momento da postura os ovos são brancos, mas logo se tornam negros e brilhantes.


Fonte: Imagem da Internet

CICLO DE VIDA

Cada Aedes aegypti vive em torno de 30 dias e a fêmea chega a colocar entre 150 e 200 ovos. Se forem postos por uma fêmea contaminada pelo vírus da dengue, ao completarem seu ciclo evolutivo, transmitirão a doença.


            O Aedes aegypti passa por quatro etapas até chegar à forma de mosquito: ovo, larva, pupa e forma adulta. Este ciclo varia com a temperatura, alimentação disponível e quantidade de larvas existentes no mesmo criadouro. Em condições ambientais favoráveis, um ovo demora entre sete e dez dias para se tornar um mosquito adulto. Por isso, a eliminação de criadouros deve ser realizada, pelo menos, uma vez por semana. Desse modo, o ciclo de vida do mosquito poderá ser interrompido.


Fonte: Fiocruz

SINTOMAS

A dengue é uma doença febril aguda, sistêmica e dinâmica, variando desde casos assintomáticos a quadros graves, inclusive óbitos. Nos casos sintomáticos pode apresentar três fases clínicas: febril, crítica e de recuperação.

                                    

A primeira manifestação é a febre, geralmente acima de 38ºC, de início súbito e duração de 02 a 07 dias, associada à dor de cabeça, cansaço, dor nas articulações e dor atrás dos olhos. Com o declínio da febre (entre o 3º e 7º dia do início dos sintomas), grande parte dos pacientes recupera-se gradativamente. No entanto, alguns podem evoluir para a fase crítica da doença, iniciando com sinais de alarme.


A dengue pode evoluir para remissão dos sintomas, ou pode agravar-se, exigindo constante reavaliação e observação, para que as intervenções sejam oportunas e os óbitos não ocorram.

 

HISTÓRIA DA DENGUE NO BRASIL

Os primeiros casos suspeitos datam do início do século XX, com a primeira epidemia confirmada em Boa Vista, Roraima, em 1982. A partir de 1986, epidemias começaram a surgir em estados como Rio de Janeiro, Ceará e Alagoas, com diferentes sorotipos do vírus sendo identificados.


O sorotipo Den 2, introduzido na década de 1990, trouxe o surgimento de casos de dengue hemorrágica, uma forma mais grave da doença. Desde 1994, as epidemias têm se expandido por todas as regiões do Brasil, com São Paulo enfrentando transmissão contínua da doença, especialmente durante os meses de verão.


Em 2000, o Brasil registrou um grande número de casos de dengue, incluindo casos de Febre Hemorrágica do Dengue em vários estados.

 

DADOS ALARMANTES

O Brasil ultrapassou a marca de 2 milhões de casos de dengue em 2024. Segundo os dados do Ministério da Saúde, que reúne casos prováveis e confirmados, o país registrou 2.010.896 de casos nas primeiras 11 semanas deste ano. O número de mortes confirmadas passa de 680.


Este é o maior número registrado em toda a série histórica, que é feita desde 2000. O recorde anterior da doença havia sido batido em 2015, quando foram contabilizados 1.688.688 casos. Neste ano, superamos esse índice na última semana, e os casos continuaram a subir.

 

PRINCIPAIS CUIDADOS

A melhor forma de prevenção da dengue é evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti, eliminando água armazenada que podem se tornar possíveis criadouros, como em vasos de plantas, pneus, garrafas plásticas, piscinas sem uso e sem manutenção, e até mesmo em recipientes pequenos, como tampas de garrafas.


Roupas que minimizem a exposição da pele durante o dia - quando os mosquitos são mais ativos - proporciona alguma proteção às picadas e podem ser uma das medidas adotadas, principalmente durante surtos. Repelentes e inseticidas também podem ser usados, seguindo as instruções do rótulo. Mosquiteiros proporcionam boa proteção para aqueles que dormem durante o dia, como bebês, pessoas acamadas e trabalhadores noturnos.


            É importante ficar atento à disponibilidade da vacina em sua região, por isso consulte o postinho de saúde mais próximo!




REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

 

Brasil supera a marca de 2 milhões de casos de dengue em 2024 e registra 682 mortes.

 

 

Como é o ciclo de vida do mosquito “Aedes aegypti”? Disponível em: <https://portal.fiocruz.br/pergunta/como-e-o-ciclo-de-vida-do-mosquito-aedes-aegypti>.

Acesso em: 22 abr. 2024.

 

Dengue, Sintomas e Sinais. Disponível em: <https://www.dengue.pr.gov.br/Pagina/Dengue-Sintomas-e-Sinais#:~:text=Perda%20de%20peso%2C%20n%C3%A1useas%20e>. Acesso em: 22 abr. 2024.

 





 

SOBRE A AUTORA: Milena Laura Soares, graduanda em Ciências Biológicas / Licenciatura - UFU, é apaixonada por botânica e meio ambiente.


22 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page