Buscar
  • minasbioconsultoria

Peixes Elétricos Como Bioindicadores

Para começarmos a falar sobre esse tema, precisamos primeiro explicar como os peixes da ordem Gymnotiformes, popularmente conhecidos como peixes elétricos da América do Sul, são capazes de produzir as descargas dos órgãos elétricos (D.O.E.s), que são utilizados para monitorar constantemente o ambiente ao seu redor e perceber qualquer alteração do meio, podendo ser ocasionado por objetos, organismos ou pela interferência da descarga de um outro peixe elétrico.


Fonte: Adam Carvalho.

Esses peixes são portadores de um órgão especializado, chamado justamente de órgão elétrico, contendo células denominadas de eletrócitos. A origem embriológica dessas células se deu através da diferenciação de células musculares que perderam a capacidade de contração durante sua evolução e, por isso, o funcionamento desse órgão é similar a de um músculo, capaz de produzir eletricidade através da contração, provocando a entrada e saída de íons de suas células. Desta forma, os eletrócitos se carregam e descarregam o tempo todo, gerando uma carga elétrica.


Fonte: Realidade Simulada.

Os Gymnotiformes são capazes de gerar 2000 repetições de D.O.E.s. por segundo, que possuem propriedades biofísicas diretamente relacionadas às características físico-químicas da água onde o peixe se encontra e ao estado fisiológico do animal. Dessa maneira, mudanças que ocorrem no ambiente como, por exemplo, de um agente químico no ambiente aquático, podem alterar a condutividade das D.O.E.s., ou até mesmo causar uma ação indireta no metabolismo do peixe. Consequentemente, essas mudanças podem ser captadas de forma rápida se esse monitoramento humano for constante, e é por isso que peixes elétricos são considerados grandes bioindicadores.


Fonte: Yasmin Faccin.

Gostou do texto? Conta pra gente aqui nos comentários, compartilhe e continue acompanhando o blog! Acompanhe também nosso Instagram (@minasbio)!



REFERÊNCIAS:



ALVES-GOMES, J. A., ROSSONI, D. M., & FILHO, G. S. Workshop-Bioindicadores de qualidade de água-Embrapa Meio Ambiente Jaguariúna, SP.


Rossoni, D. M. (2005). A utilização das descargas dos órgãos elétricos de Apteronotus hasemani e Apteronotus bonapartii (Apteronotidae Gymnotiformes) como bioindicadores em ambientes aquáticos.


TH, Bullock et al. Aspectos do uso da descarga do órgão elétrico e eletrorrecepção nos Gymnotoidei e outros peixes amazônicos. Acta Amazonica, v. 9, p. 549-572, 1979.



 

Sobre o autor: Gabriel Correa Tamarindo, graduando em Ciências Biológicas / Bacharel - UFU, é apaixonado pelo planeta Terra e os organismos que nele habitam.


Contato: gabrieltamarindo.minasbio@gmail.com

 


47 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo