top of page
Buscar
  • Foto do escritorminasbioconsultoria

Impactos do Descarte Incorreto de Lixo Eletrônico no Meio Ambiente

Em algum momento de sua vida, você certamente já escutou sobre o lixo eletrônico, os famosos celulares que não funcionam mais ou uma TV que já não tem mais utilidade. Mas o que é realmente esse termo?


O lixo eletrônico, que também pode ser chamado de e-waste ou Resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE) são denominados como os resíduos de tudo aquilo que precisa de energia para seu funcionamento e em sua maioria possuem bateria. As placas utilizadas para sua fabricação contém diversas substâncias tóxicas e metais pesados que podem contaminar os alimentos, solo e água, entre eles: chumbo, mercúrio, sódio, cobre, níquel, entre outros.


Fonte: Marcello Casal Junior / Agência Brasil

De acordo com a pesquisa Resíduos eletrônicos no Brasil - 2021, divulgada pela Green Eletron, o Brasil é o quinto maior gerador desse lixo em todo o mundo, e grande parte da população (87%) é conhecedora do termo, mas não tem ideia do quão prejudicial pode ser se não for descartado de forma correta.


Como citado anteriormente no texto, os metais pesados utilizados para fabricação dos eletroeletrônicos são os maiores causadores dos malefícios ao meio ambiente, e consequentemente à vida humana. Na natureza, eles são capazes de danificar os solos, chegando aos lençóis freáticos e contaminando também a água que será consumida posteriormente. É também responsável por afetar a biodiversidade, prejudicando a fauna e flora de todo o ecossistema. 


Dando destaque a vida humana, essas substâncias em grande quantidade, podem causar:  edemas cerebrais, danos no fígado, doenças de pele, fraqueza, convulsões e até mesmo à morte. E também, são grandes responsáveis por contribuir na emissão de gases do efeito estufa


  • Mas como fazer o descarte correto?


O melhor caminho para a redução do lixo eletrônico, é a conscientização populacional e o descarte correto destes. Uma forma conhecida e eficiente é a logística reversa, na qual os resíduos são reaproveitados quando possível ou destinados adequadamente. Há um decreto de n° 10.240 que regulamenta a implantação da logística reversa de eletroeletrônicos.


Para que a logística aconteça, é necessário que os consumidores descartem de forma correta os resíduos em pontos de coleta específicos, partindo da conscientização. É importante ressaltar que esses eletrônicos não devem ser desmontados, e em seguida, são destinados a pontos de consolidação e destino final correto.


Fonte: Green Eletron

Em suma, é preciso que haja maior conscientização populacional acerca dos malefícios causados pelo descarte incorreto, incentivos fiscais para que grandes empresas engajem também no processo, e por fim, pontos de coleta acessíveis para que todos consigam dar o destino final correto.




Referências:


CELINSKI, Tatiana Montes et al. Perspectivas para reuso e reciclagem do lixo eletrônico. In: II Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental. 2011. p. 1-4


KEMERICH, PEDRO DANIEL DA CUNHA et al. Impactos ambientais decorrentes da disposição inadequada de lixo eletrônico no solo. Engenharia Ambiental: Pesquisa e Tecnologia, v. 10, n. 2, 2013.


LAVEZ, Natalie; DE SOUZA, Vivian Mansano; LEITE, Paulo Roberto. O papel da logística reversa no reaproveitamento do “lixo eletrônico”–um estudo no setor de computadores. Revista de Gestão Social e Ambiental, v. 5, n. 1, 2011.

Saiba onde descartar o lixo eletrônico na Baixada Santista. Green Eletron. São Paulo, 9 de jul. de 2020. Disponível em:





 

Sobre a autora: Beatriz Cardoso David, graduanda em Ciências Biológicas / Licenciatura - UFU. É apaixonada pela agroecologia, natureza e música.






20 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Yorumlar


bottom of page