Buscar
  • minasbioconsultoria

Área de Preservação Permanente - O que sabemos sobre as APPs?

Atualizado: Set 12

Conforme a Lei 12.651/2012 pertencente ao Código Florestal Brasileiro, Área de Preservação Permanente é uma “área protegida, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica e a biodiversidade, facilitar o fluxo gênico de fauna e de flora, proteger o solo e assegurar o bem estar da população humana”.


Foto por: Prefeitura de Itajaí



Diferença entre APPs e Unidade de Conservação


Diferentemente das Unidades de Conservação, (Conheça as UCs), que visam o uso sustentável das áreas preservadas, nas Áreas de Preservação Permanente, é estritamente proibido que haja qualquer tipo de exploração econômica direta ou ocupação humana, ainda que seja para assentar famílias assistidas por programas de colonização e reforma agrária.


Unidade de Conservação Vale da Lua (GO)

Foto por: Augusto Miranda/Mtur



Mas afinal, quais são as Áreas de Preservação Permanente?


É muito comum associarmos as APPs somente a margens de rios ou cursos d'água, áreas de nascentes, aos arredores de lagos e lagoas e áreas de reservatórios de água.


Isso não acontece por acaso, já que sua função principal é a de proteger as Matas Ciliares, vegetação responsável por evitar transformações negativas nos leitos (erosão e assoreamento do solo das margens do rio), garantir o abastecimento dos lençóis freáticos e a preservação da vida aquática.


APP entono de nascentes e olhos d'água



No entanto, outros tipos de vegetações e relevos também são classificados como APPs sendo eles: topos de morros, montes, montanhas e serras, encostas ou parte dessas, restingas fixadoras de dunas ou estabilizadoras de mangues, bordas dos tabuleiros ou chapadas. Locais de altitude superior a 1.800 metros também são protegidos pela Lei e classificados como APP.




Uma APP que é também um destino de viagem desejado por muitos


A Chapada Diamantina na Bahia, é um relevo de terras altas, com áreas públicas ou privadas que a Lei proíbe de serem desmatadas ou exploradas economicamente.


Chapada Diamantina (BA)

Foto por :Monique Renne


Os Manguezais


Os manguezais são ambientes costeiros de transição entre a terra e mar de regiões tropicais e subtropicais e recebem esse nome devido a sua vegetação dominante de Mangues, que é uma vegetação majestosamente adaptada ao sal e a viver em ambientes de inundação de marés.


Foto: Clemente Coelho


A sua importância ecológica é relacionada a diversos fatores ambientais e socioeconômicos, além de ser uma proteção contra a erosão costeira e estabilizar a linha da costa, fonte de renda e de alimento para a comunidade local, são também conhecidos como berçários de diversas espécies locais e de outros habitats. Por isso, em 1965, os Manguezais foram definidos como áreas de preservação permanente, no entanto estão sendo progressivamente destruídos pela poluição, criação de portos, ocupação das áreas próximas e instalação de maricultura.


Foto: Nalva Figueiredo/Jornal Correio da Paraíba



Entendendo a Delimitação das APPs


Na Lei 12.651/12 a delimitação de uma região de APP acontece da seguinte forma:


I - As faixas marginais de qualquer curso d’água natural perene e intermitente, excluídos os efêmeros, desde a borda da calha do leito regular, em largura mínima de:


a) 30 (trinta) metros, para os cursos d’água de menos de 10 (dez) metros de largura;

b) 50 (cinquenta) metros, para os cursos d’água que tenham de 10 (dez) a 50 (cinquenta) metros de largura;

c) 100 (cem) metros, para os cursos d’água que tenham de 50 (cinquenta) a 200 (duzentos) metros de largura;

d) 200 (duzentos) metros, para os cursos d’água que tenham de 200 (duzentos) a 600 (seiscentos) metros de largura;

e) 500 (quinhentos) metros, para os cursos d’água que tenham largura superior a 600 (seiscentos) metros;


II - As áreas no entorno dos lagos e lagoas naturais, em faixa com largura mínima de:


a) 100 (cem) metros, em zonas rurais, exceto para o corpo d’água com até 20 (vinte) hectares de superfície, cuja faixa marginal será de 50 (cinquenta) metros;

b) 30 (trinta) metros, em zonas urbanas;


III - As áreas no entorno dos reservatórios d’água artificiais, decorrentes de barramento ou represamento de cursos d’água naturais, na faixa definida na licença ambiental do empreendimento;


IV - As áreas no entorno das nascentes e dos olhos d’água perenes, qualquer que seja sua situação topográfica, no raio mínimo de 50 (cinquenta) metros;


V - As encostas ou partes destas com declividade superior a 45º , equivalente a 100% (cem por cento) na linha de maior declive;


VI - As restingas, como fixadoras de dunas ou estabilizadoras de mangues;


VII - Os manguezais, em toda a sua extensão;


VIII - As bordas dos tabuleiros ou chapadas, até a linha de ruptura do relevo, em faixa nunca inferior a 100 (cem) metros em projeções horizontais;


IX - No topo de morros, montes, montanhas e serras, com altura mínima de 100 (cem) metros e inclinação média maior que 25º , as áreas delimitadas a partir da curva de nível correspondente a 2/3 (dois terços) da altura mínima da elevação sempre em relação à base, sendo esta definida pelo plano horizontal determinado por planície ou espelho d’água adjacente ou, nos relevos ondulados, pela cota do ponto de sela mais próximo da elevação;


X - As áreas em altitude superior a 1.800 (mil e oitocentos) metros, qualquer que seja a vegetação;


XI - Em veredas, a faixa marginal, em projeção horizontal, com largura mínima de 50 (cinquenta) metros, a partir do espaço permanentemente brejoso e encharcado.


Fonte: Art 4 da Lei 12.651/2012




Algumas críticas e revoltas envolvendo mudanças na Lei do Novo Código Florestal Brasileiro que diz respeito às delimitações das APPs



Um ponto muito criticado a respeito do Novo Código Florestal (NCF) em relação às delimitações das APPs, é de que o novo Código revoga a Lei 4.771/1965 do antigo Código Florestal (ACF) e a delimitação das áreas de APPs de margem dos cursos d'água que antes eram definidas a partir do Leito Maior Hidrológico (LMH) do rio, passaram a ser a delimitadas a partir da borda da calha do Leito Regular (LR).


Leito é denominado como sendo o canal de escoamento do rio. O Leito Maior Hidrológico, denominado planície de inundação é a área em que ocorrem as cheias mais elevadas, denominadas planícies de inundação. O Leito Regular é considerado o leito do rio propriamente dito, por ser bem encaixado e delimitado.


O NCF traz como contribuição permitir aos proprietários a adequação das áreas degradadas com uma faixa menor de preservação e facilitar a definição do LR por meio de imagens de satélite. Assim, podem-se comparar as legislações através dos mapas e concluir que o NCF trouxe alguns avanços, como a facilidade na demarcação da APP, mas é mais brando em relação ao tamanho de área protegida. Fonte: Campagnolo et al, 2017


O Conceito de Área Rural Consolidada, estabelecido pela lei 12.651/12 do Novo Código Florestal, também foi alvo de muitas polêmicas pois ela isentou os proprietários de áreas de proteção permanentes desmatadas até julho de 2008, da obrigação do reflorestamento deste local .

“área de imóvel rural com ocupação antrópica preexistente a 22 de julho de 2008, com edificações, benfeitorias ou atividades agrossilvipastoris, admitida, neste último caso, a adoção do regime de pousio”. Fonte: Farias, 2019


Isso significa que além do perdão das irregularidades cometidas, os infratores poderão desenvolver determinadas atividades econômicas em suas propriedades, diferentemente dos proprietários que cumpriram a sua obrigação de preservar a APP.



E Aí, já conhecia as APPs, suas delimitações e como o Novo Código Florestal as afetou?





REFERÊNCIAS

ECO (Brasil). O que é uma área de preservação permanente. In: ECO (Brasil). O que é uma Área de Preservação Permanente. Brasil, 12 ago. 2013. Disponível em: https://www.oeco.org.br/dicionario-ambiental/27468-o-que-e-uma-area-de-preservacao-permanente/. Acesso em: 16 ago. 2020.


SNIF (Brasil). Áreas de Preservação Permanente. Brasil: SNIF, 23 set. 2019. Disponível em: http://snif.florestal.gov.br/pt-br/conservacao-das-florestass/183-areas-de-preservacao-permanente. Acesso em: 16 ago. 2020.


CONJUR (Brasil). Regime jurídico das áreas de preservação permanente. Brasil: ConJur, 8 jul. 2019. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2019-jun-08/ambiente-juridico-regime-juridico-areas-preservacao-permanente. Acesso em: 16 ago. 2020.


ARICCHIO, Camilla Caricchio. Manguezais. Brasil: ZonaCosteira.bio.ufba.br, 2013. Disponível em: http://www.zonacosteira.bio.ufba.br/Manguezais.html. Acesso em: 17 ago. 2020.



Sobre a autora: Bruna Gentil, graduanda em Ciências Biológicas/Bacharelado-UFU.

Contato: brunagentils0@gmail.com @jabotiacaba_




79 visualizações6 comentários